terça-feira, 15 de abril de 2014

1392-Brasil: a undécima chance


O fio da história de 1500 a 2014

A sociedade que decide o Brasil não é a mesma que elege quem decide o Brasil. Esta é a primeira e mais grave constatação que se faz no regime político que temos. Até 1934, quem votava era, em princípio, quem decidia, pois o voto de cabresto reproduzia nas urnas a vontade dos chefes políticos, na verdade, os coronéis rurais, cópias aproximadas dos suseranos feudais, da Europa, de onde somos originados (para entender pesquise Regime Feudal).

O voto popular veio sendo aperfeiçoado. Chegamos ao voto eletrônico e mais. Mas o eleitor não foi preparado para entender o seu papel. O eleito, que se elege com o voto comprado, de favor, por influência, por paternalismo, pela força da tevê, nunca foi representante autêntico dos seus eleitores.

É assim que chegamos a esta republiqueta que se chama Brasil, cuja magnificência chega a assustar, mas que não sai do chão como nação.

Esta série tem a pretensão de apontar os pontos chaves das crises que percorrem a história do Brasil em 514 anos de nossa história.

É evidente que não teremos a oportunidade de detalhar em minúcias os episódios. Mas, para isso, o Google é um instrumento de pesquisa que pode ajudar em muito aqueles que queiram mergulhar no detalhamento.

Esta série se propõe a apresentar suscintamente 12 crises que se instalaram no Brasil em 514 anos de sua história.

Já que andam dizendo que a maioria do eleitorado brasileiro é formada por analfabetos políticos, a nossa esperança é que com a juntada dos fatos produzidos por 12 crises (ou 13) possa servir para alfabetizar e acordar importantes lideranças para juntos escrevermos um novo fim para a história brasileira.

Isso também é ser espiritualmente maior, isto é, espiritualmente emancipado.

Você nos acompanha?

Nenhum comentário:

Postar um comentário