quarta-feira, 21 de maio de 2014

1428-Família, alicerce da humanidade


A proposta de Deus

Se pararmos, um pouco para refletir como funciona nosso organismo, concluiremos que a perfeição biológica nos é dada ao nascer. Só não continuará assim se o uso intenso e mal feito dos órgãos nos levar para a morte geralmente muito antes do que seria normal.

O que passa pela mente do fumante, do drogado, do alcoólatra, daquele que se alimenta absurdamente errado? O que passa pela mente do ocioso, aplastado, preguiçoso que não tira o bumbum da poltrona?

O desempenho de cada órgão, de cada detalhe que faz parte do nosso corpo nunca seria deficiente se não os obrigássemos a trabalhar sob as mais duras e cruéis condições.

Cada sistema de nosso corpo cumpre, religiosamente, as suas funções contribuindo para que continuemos vivos, mas é obrigado e dar de si muito acima de suas possibilidades dado o nosso modo perverso de lidar com eles.

E isso já se torna um problema genético porque recebemos e repassamos esses legados repassados hereditariamente. E já que estamos lidando com a instituição família: são também os genes comprometidos que nos vem e que repassaremos aos nossos filhos e netos.

Viver plenamente, não destruir o que ganhamos como tarefa para cuidar. Viver bem, segundo a proposta do Autor da Vida, inclui ser feliz e gostar do nosso corpo, cuidando-o e respeitando-o, para que ele esteja sempre apto a desempenhar a sua missão, para existirmos pelo tempo a que estiver determinado, cumprindo coisas que aqui viemos fazer e que merecerão análise numa próxima postagem. São, ao que parece, indicativos de como se pode ser estável, manter uma família estável e evitar tantas confusões em delegacias de polícia, hospitais, fóruns e outras arenas aonde costumamos botar banca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário