terça-feira, 30 de setembro de 2014

1560-Allan Kardec


Hippolyte Léon Denizard Rivail

Este é o nome de batismo do codificador e sistematizador da Doutrina Espírita, nascido a 3 de outubro de 1804, em Lyon, na França, e falecido em Paris na data de 31 de março de 1969, com, portanto, 64 anos idade.

Seu trabalho como professor, pedagogo, autor e tradutor, tinha uma excelente repercussão na Europa, mas alcançou o mundo quando lançou sua primeira obra espírita, em abril de 1857, chamada “O Livro dos Espíritos”.

Contudo, para chegar ao seu primeiro trabalho de repercussão internacional, Hippolyte enfrentou uma trajetória difícil, como soe acontecer com qualquer um que se proponha transformar costumes, quebrar paradigmas, alterar padrões de pensamentos e concepções. Enfrentou preconceitos, rejeições, ameaças e só não foi parar na fogueira da Inquisição porque aquele tribunal já havia cessado suas atividades na França (país católico), onde nasceu e viveu.

Hippolyte Léon Denizard Rivail antes de usar o pseudônimo Allan Kardec (que utilizou também para esconder sua verdadeira identidade e livrar-se de perseguições) foi um influente educador, autor e tradutor francês.

Adotou o seu pseudônimo também para fazer uma diferenciação entre o autor da Codificação Espírita e aos seus anteriores trabalhos literários e pedagógicos.

Segundo algumas fontes, seu pseudônimo foi escolhido depois que um espírito revelou-lhe que haviam vivido juntos entre os druidas, na Gália, e que então o Hippolyte se chamava "Allan Kardec".

Nascido numa antiga família de orientação católica com tradição na magistratura e na advocacia, desde cedo manifestou propensão para o estudo das ciências e da filosofia.

Fez os seus estudos na Escola Pestalozzi, no Castelo Yverdon, em Yverdon-les-Bains, na Suíça (país protestante), tornando-se um dos seus mais distintos discípulos e ativo propagador de seu método, que tão grande influência teve na reforma do ensino na França e na Alemanha. Aos quatorze anos de idade já ensinava aos seus colegas menos adiantados, criando cursos gratuitos. Aos dezoito anos bacharelou-se em Ciências e Letras.

Concluídos os seus estudos, o jovem Rivail retornou ao seu país natal. Profundo conhecedor da língua alemã, traduzia para este idioma diferentes obras de educação e de moral, com destaque para as obras de François Fénelon, pelas quais manifestava particular atração. Conhecia a fundo os idiomas francês, alemão, inglês e holandês, além de dominar perfeitamente os idiomas italiano e espanhol.

Era membro de diversas sociedades acadêmicas, entre elas o Instituto Histórico de Paris e a Academia Real de Arras; esta última, em concurso promovido em 1811 premiou-o em razão do trabalho "Qual o sistema de estudos mais em harmonia com as necessidades da época?"

A 6 de fevereiro de 1832 desposou Amélie Gabrielle Boudet, com quem permaneceu casado até o desencarne. Em 1824, retornou a Paris e publicou um plano para aperfeiçoamento do ensino público. Após o ano de 1834, passou a lecionar, publicando diversas obras sobre educação. Era membro da Real Academia de Ciências Naturais da França.

Como pedagogo, o jovem Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público. Entre 1835 e 1840, manteve em sua residência, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia e outros. Nesse período, preocupado com a didática, elaborou um manual de aritmética, que foi adotado por décadas nas escolas francesas, e um quadro mnemônico da História da França, que visou facilitar ao estudante memorizar as datas dos acontecimentos de maior expressão e as descobertas de cada reinado do país.

As matérias que lecionou como pedagogo são: Química, Matemática, Astronomia, Física, Fisiologia, Retórica, Anatomia Comparada e Francês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário