domingo, 21 de dezembro de 2014

1640-Annie Wood Besant


Introdução

Annie Wood Besant, nascida em Londres, capital da Inglaterra, a 1º de outubro de 1847 e falecida em Adyar, Madras, Índia, a 30 de setembro de 1933, foi quem sucedeu Helena Petrovna Blavatsky no trabalho internacional da Teosofia, cujo trabalho já mostramos em uma série neste blog.

Além de teósofa (adepta da Teosofia fundada por Blavatsky), foi militante socialista e maçom, além de ativista e defensora dos direitos das mulheres e uma das mais notáveis oradoras da sua época. Deixou uma vasta obra literária sobre Teosofia.

Quero destacar um detalhe que talvez possa ter passado desapercebido do leitor, quando há referência que ela foi maçom. Historicamente, a Maçonaria é uma instituição masculina que teve origem com os pedreiros ou cantareiros livres na Idade Média e antes, espécie de sindicato de classe ou cooperativa profissional, de onde herdamos recentemente os conselhos regionais e nacionais das profissões regulamentadas, a OAB, a Fenaj e outros. Só homens atuavam como cortadores de pedra, fazedores de cantos (nas pedras) num tempo em que nem se pensava em cimento e ferro e o domínio dos segredos da profissão era guardado dentro de alojamentos (hoje lojas), que eram locais de reunião guardados por muito segredo. O que hoje é buscado pelos serviços de inteligência entre países concorrentes, era, no passado, também, estratégia de mercado ligada às construções. Iniciava na pedra bruta e acabava nas obras de arte que ainda estão em pé para testemunhar a excelência do ofício dos mestres. Eram chamados pedreiros livres porque não se submetiam aos escravocratas de seu tempo. Maçom era o nome profissional, utilizadores do maço para bater no cinzel que cortava as pedras. E daí o nome Maçonaria, Maçonaria Operativa porque construía obras arquitetônicas.

Mais tarde criou-se a Maçonaria Especulativa, que foi quando outras pessoas não como profissionais das pedras foram aceitas nas ordens maçônicas e ainda assim só entre homens.

Essa senhora, Annie Wood Besant, teria sido mais uma a contestar o estatus quo e a organizar uma loja maçônica de mulheres onde ocupou cargos e desenvolveu-se até atingir o grau 33, grau máximo maçônico.

Antes de 1893 a filiação maçônica só era facultada aos adultos do sexo masculino. Naquele ano uma Loja da França procedeu à admissão de uma mulher em seus quadros, episódio que deu origem às Lojas Maçônicas Mistas, que se reuniram e formaram a Ordem Mista Internacional "O Direito Humano". Posteriormente outras Lojas mistas foram surgindo e hoje existe até mesmo Potência Maçônica Feminina, como por exemplo, nos Estados Unidos, a RainBow. O fato vai aqui anotado como constante de que a mulher passou a ter oportunidade de filiação em Lojas Maçônicas Mistas ou exclusivamente femininas, o que desobriga as lojas originalmente masculinas, originárias das corporações medievais, de recebê-las em seus quadros, sem que isso signifique discriminação de sexo, e sim um apego às antigas tradições da Maçonaria.

Mas, não é a Besant maçônica, apenas, que será enfocada nesta série. Vamos mostrar esta mulher e alguns dos seus auxiliares diretos com muito impacto na história espiritual do planeta.

Você nos acompanha nesta exploração? Então vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário