quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

1692-Os sons e os tons do ser humano


A música e as cores


Os mesmos estudos místicos que determinam signo, planeta, arcanjo, chacra principal, etc., determinam para cada um de nós um tom da escala musical.

Até o século XVII a denominação da escala era numérica. O músico Guido d’Arezzo desejando oferecer nomes às notas, sonhou com um poema de Paulus Diaconus, que serve de Hino a São João (De Gestis Longobardorum) e encontrou em sua biblioteca, naquela manhã, o livro aberto naquela página, com a seguinte estrofe:

Ut queant laxis

Ressonare fibris

Mira gestorum

Fameli tuoum

Solve polluti

Labii reatum,

Sancte Iohanes.

Como o Ut era uma sílaba não aplicada nas línguas com raiz latina, no século XVIII a França propôs e foi aceita, a sua substituição por Dó. Nasceu daí o nome das notas da escala musical: Dó, ré, mi, fá, sol, lá, si.

Nessa escala, que é matemática e vai de 1 a 7, nós todos estamos inseridos. Pela mesma ordem de como se pronunciam as sete notas, é assim que se rege o zodíaco:

Dó maior é regente de Áries e dó menor é regente de Escorpião, acompanhados pela cor vermelha. O chakra correspondente é o Fundamental (Kundalini).

Ré maior é regente de Gêmeos e ré menor é o regente de Virgem acompanhados da cor laranja e tendo o chakra Sacro por correspondente.

Mi maior é regente exclusivo de Câncer, correspondente à cor amarela e o chakra Plexo Solar.

Fá maior é regente de Peixes e fá menor de Sagitário, tendo por correspondente a cor verde o chakra Cardíaco.

Sol maior é regente de Touro e sol menor de Libra, tendo por correspondente a cor azul e o chakra Laríngeo.

Lá maior é regente de Capricórnio e lá menor de Aquário, tendo por correspondente a cor índigo e o chakra Frontal.

Si maior é regente exclusivo de Leão, correspondente á cor violeta e ao chakra Coronário.

Correspondências e Interferências

Tanto quanto as cores do arco-íris, os tons da escala musical possuem frequências correspondentes e efeitos interferentes nos campos vibratórios de toda a natureza.

O Dó e o Vermelho estão na ponta das frequências altas.

O Ré e o Laranja mais o Mi e o Amarelo, completam a escala dos tons e cores de elevada vibração.

O Fá e o Verde são correspondentes e estão no centro do espectro, dividindo as vibrações altas e baixas.

Já o Sol e o Azul, e o Lá o Anil avançam numa escala decrescente de tons e cores de baixa vibração, para chegar ao Violeta e ao Si, consideradas nesta escala como as de mais baixa frequência.

Aplicações


Dó e Vermelho
possuem qualidades positivas, criativas, vitais, de calor. Emitem uma energia para uso com mínimas exceções. Sem eles seria impossível qualquer movimento ou atividade. É o tom/cor da natureza microbiana.

Ré e Laranja
possuem brilho, potência e ativação da intelectualidade. Mistura a aceleração dos vizinhos Dó/Ré com as qualidades potenciais dos vizinhos Mi/Amarelo. É o tom/cor da natureza mineral.

Mi e Amarelo
significam o poder divino, a iluminação e a imortalidade. Propiciam autocontrole e produzem efeitos alcalinos (sem eletricidade) que fortalecem os nervos sem serem adstringentes. É o tom/cor da natureza animal.

Fá e Verde
são o traço de união entre homem e natureza, equilíbrio entre a natureza física e o espírito imortal. Neutraliza as vibrações inorgânicas (energias) do nosso corpo e equilibra nosso sistema nervoso, transmitindo-nos a consciência da harmonia. É o tom/cor da natureza vegetal.

Sol e Azul
significam sabedoria e reflexão, acalmam, pacificam, relaxam e ao mesmo tempo estimulam a atividade mental e espiritual com base na verdade cósmica. A Ciência e a Invenção são favorecidas. É o tom/cor da natureza hominal.

Lá e Anil
significam devoção, intuição e dedicação, promovendo a mais profunda visão e sentimento da verdadeira realidade cósmica. É o tom/cor da natureza angelical.

Si e Violeta
governam a mente superior e a consciência cósmica, purificando ideais e estimulando a natureza intuitiva. É o tom/cor da natureza cósmica.

Fim desta série, mas não o fim deste tema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário