segunda-feira, 6 de abril de 2015

1746-Amuletos, talismãs e patuás


Escudos de proteção espiritual

Introdução

Desde os tempos imemoriais o homem utiliza amuletos, talismãs e patuás para atrair amor, sorte, proteção pessoal e para sua casa, a família, negócio ou profissão contra forças negativas e para diversos outros fins.

Conceituações:

Amuleto é um pequeno objeto - figura, medalha, figa, etc. – à qual tenha sido aplicado poderes mágicos de proteção para afastar desgraças ou malefícios.

Breve é, hoje, chamado de escapulário e também de patuá, no qual está contida uma oração ou um vaticínio de bom augúrio. Escapulário, no entanto, é uma espécie de manto usado por celebrantes em atos sagrados e patuá, na verdade, é um balaio onde as pessoas carregam coisas. Mas, esses termos sofreram adaptações. Bentinho é o outro nome para o breve.

Totem é o objeto, animal, vegetal, montanha ou monumento natural considerado sagrado e do qual se espera proteção e segurança espiritual.

Imagens são figuras representativas de pessoas ou situações com condição sagrada ou santificada.

Necessidade material

Olhar, tocar, cheirar, ouvir, ter junto ao corpo algo que respeitamos por uma questão de crença ou crédito moral, talvez fé, é algo inerente ao atual estágio da pessoa humana. Por isso, as representações físicas, seja uma imagem de santo, de Cristo, de Maria, uma imagem de São Jorge, uma cruz, um ponto riscado de umbanda, um incenso, um hino, um som musical, são também instrumentos com valores aproximados aos talismãs que conceituamos linhas atrás.

Estamos ainda no culto físico, primeiro ao santificado e posteriormente fomos cultuar o próprio corpo, através de exercícios, academias, cirurgias.

Quando estiver vencido este estágio, nos aproximaremos daquilo que já não precisa de representação físico-biológica para ter valor sagrado.

Viemos de outros tempos

Preces, orações, e oferendas aos deuses, santos, orixás e diversas entidades são as formas mais tradicionais e entendidas como eficazes de proteger-nos e de proteger nossos entes queridos das forças negativas e de todos os perigos existentes. Isso veio conosco desde que nossos sacerdotes se iniciaram nas suas sendas sagradas de interpretar Deus.

Talismãs e patuás são um conjunto de amuletos reunidos para determinado objetivo.

Fomos induzidos a entender que mesmo quem está feliz, limpo e puro, em dia com suas obrigações para com as entidades divinas, orixás e igrejas pode eventualmente ser atingido por feitiços, trabalhos feitos com fins específicos para nos trazer problemas, olho gordo, inveja, etc.

Nossa sociedade vem de séculos envolvida com estes sortilégios e buscando proteção e defesa, seja nos horóscopos, nas cartomantes, nos amuletos, nos breves e escapulários.

Escudos de Proteção

Aprendemos que o uso de amuletos, patuás e talismãs podem auxiliar criando um escudo energético invisível para proteção espiritual, pessoal e profissional de quem utiliza estes objetos ditos sagrados.

Se diz que a finalidade dos patuás, amuletos e talismãs é exatamente proteger nosso corpo e espírito quando estamos vulneráveis diante de algum perigo, além de proteger também nossa casa, nossos bens, nosso local de trabalho e nossos entes queridos.

Rituais dentro dos círculos mágicos

Uma imensa legião de conselheiros espirituais repassa aos seus consulentes que o ser humano que vive no século XXI necessita da mesma proteção divina que utilizou no passado e que deve utilizá-la ainda, segundo eles, por muito tempo, enquanto houver feiticeiros, pais e mães de santo de umbanda e candomblé, que dominam a arte de fazer e abençoar amuletos, talismãs e patuás e não só, que também dominam a manipulação de energias negativas para a magia negra.

Por isso, ainda hoje, fazemos como nossos ancestrais, que evocavam as grandes forças do universo, que respeitavam e seguiam o poder dos sonhos e que utilizavam perfumes, ervas, metais, elementos simbólicos, cantos, preces para criarem amuletos, talismãs e patuás.

Esses objetos sagrados têm a finalidade de nos aproximar de Deus, nos proteger e ajudar-nos a realizar os projetos mais secretos e difíceis de conquistar. Por isso, as pessoas se submetem aos mais diferentes e exóticos rituais em estranhos círculos mágicos. Concordam em fazer contato com forças desconhecidas e duvidosas, de cujos ambientes saem impregnados, acompanhados, monitorados e perigosamente encaminhados para resultados que podem ser comprometedores.

Qual a diferença entre amuletos, patuás e talismãs?

Amuletos são as formas encontradas na natureza, os cristais, os animais e os vegetais. Os mais conhecidos são: pés-de-coelho, trevo-de-quatro-folhas, cristais e pedras preciosas, ervas como arruda e guiné, etc.

Talismãs e patuás são criados pelas mãos humanas a partir de amuletos para estimular determinada energia contida nesses objetos (metal, tecido, pedra preciosa, erva, espelho, raiz, etc) e direcioná-la para um único objetivo a ser cumprido com seu uso ritual ou no dia a dia tanto por obra de sacerdotes de alguma religião por qualquer outra pessoa com poderes mágicos.

Principais usos para um amuleto, patuá ou talismã

Uma pesquisa a respeito nos diz que o amuleto, patuá ou talismã pode ser utilizado para diversos fins como:

·         atrair um amor;

·         afastar alguma pessoa indesejável;

·         arrumar um emprego;

·         crescimento profissional;

·         prosperidade financeira;

·         passar em concursos, passar no vestibular;

·         proteção contra mau olhado, inveja e olho gordo;

·         proteção espiritual contra espíritos negativos;

·         cura de doenças;

·         estímulo de certos aspectos do ser que devem ser mudados ou ressaltados exemplo: timidez, sensualidade, emagrecimento, etc.

Cuidados com o seu patuá

As mesmas orientações são dadas quanto ao cuidado que o portador deve com seu objeto encantado. Por serem feitos para uma única pessoa ou um único propósito, os amuletos, talismãs e patuás devem ser utilizados somente pela e para a pessoa a que foi destinado, não devendo ser utilizado nem manipulado ou emprestado a outras pessoas.

Sem um ritual que valide o objeto e o torne consagrado por alguma entidade, sacerdote ou mãe de santo ele não tem nenhum valor espiritual prático podendo ser usado apenas como enfeite.

No candomblé e umbanda o uso mais comum é de patuás para proteção ou para o caso específico de certos trabalhos espirituais feitos com a orientação de uma entidade espiritual.

Tipos mais comuns de talismãs, amuletos e patuás

Patuá de Prosperidade: é muito comum ver pessoas utilizando figas, crucifixos, escapulários, terços, elefantes, sapinhos, e os mais diversos objetos como catalisadores, filtros de energias, protetores espirituais. Muitas pessoas transformam joias compradas para uso pessoal em talismãs e patuás para uso cotidiano e proteção do seu orixá enviando-as a uma mãe de santo para preparar a joia para esse fim. Outras pessoas utilizam ainda objetos de decoração como estátuas, quadros, jarros, e objetos de arte para aumentar, anular ou estabilizar certas energias em suas residências ou nos locais de trabalho; mas lembramos que estes objetos devem ser consagrados em rituais especiais para ter o efeito esperado.

Patuás de Proteção: são entidades que trabalham nas áreas de amor, prosperidade financeira, além da proteção contra assaltos, olho gordo e inveja, etc. Trabalha a sexualidade para quem está usando e promove a cura em casos de impotência ou problemas diversos relacionados ao sexo.

Patuá de Prosperidade: ativam o setor financeiro e atraem prosperidade e crescimento profissional.

E outros mais destinados a cura de doenças, descarrego e energização de ambientes e muitas outras finalidades, como harmonização do lar ou para alcançar determinada graça ou afastar inveja, olho gordo e para proteger contra os perigos presentes nas ruas, nas estradas e nos assuntos mais difíceis de resolver. Especial para quem viaja muito, ou necessita cruzar caminhos difíceis em determinado momento na vida. Também para proteger carros contra roubos e acidentes.

Pessoas há que não acreditam nas superstições que podem conter nisso que estamos relatando, mas não passam debaixo de uma escada ou evitam a qualquer custo quebrar um espelho, sabem que carregar consigo determinados objetos pode trazer certa carga de energia proveniente daquele objeto (amuleto) ou conjunto de objetos (talismãs e patuás) criando uma proteção para carregar consigo por todos os caminhos que percorrem.

Diga-me com quem andas e eu te direi quem és

Na maioria dos casos, os amuletos, patuás e outros talismãs são objetos de baixa e média interferência energética e em princípio exclusivamente para o bem. Vamos, contudo, e por dever de ofício, falar de coisas que preocupam.

Os desejos, as ambições, os interesses, os pensamentos, as intenções, são frequências vibratórias que atraem os seus mesmos padrões. Se para o bem, atraem o bem; se para o mal, atraem o mal.

Quando estamos em oração, meditando ou contemplando, experimentando faixas vibratórias que são simpáticas aos anjos guardiões, temos boas companhias vibratórias espirituais e a qualidade daquilo que passa pela nossa mente é condizente com as companhias invisíveis que atraímos. O contrário também é verdadeiro. Uma pessoa angustiada, ameaçada, perturbada, acometida de medo, sofrimento ou pânico, desinformada e mal aconselhada pode acabar dirigindo-se a oficinas espirituais de pouca ou nenhuma qualidade e pode se deixar levar como “freguês” de “comerciantes” do mundo das trevas. Ali, certamente, será feita marionete de rituais macabros onde animais são sacrificados, onde bebidas alcoólicas são ingeridas numa sintonia pesada, monstruosa, entre outras explorações dos sentidos. Despachos são encaminhados às encruzilhadas e muito mais.

A pessoa tinha um problema e agora tem dois. Sem resolver o primeiro acabou por atrair um segundo problemão. Dentro do olho do furacão não terá como perceber que se afunda numa escala de sempre mais baixa luminosidade e se puder bancar financeiramente as contas que lhe serão apresentadas será levada a outros extremos ainda mais perigosos. Quando, porém, acabar o poder financeiro será abandonada à própria sorte.

Seguidamente somos surpreendidos com notícias envolvendo o sacrifício de crianças e adultos em rituais macabros, notícias que chegam até nós porque a polícia entrou no caso, mas existem outras barbaridades que ficam mantidas em segredo. Por isso, os melhores escudos de proteção espiritual não podem e não devem ser buscados mediante o comprometimento das nossas relações com o amor e com Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário