sábado, 5 de setembro de 2015

1810-Um resgate ainda que tardio



As mulheres na trajetória cristã

As mulheres sempre foram os pilares do Edifício Cristão.

Qualquer leitura que se faça a respeito da vida de Jesus Cristo, lá iremos encontrar mulheres importantes para o sucesso da caravana evangelizadora do Messias. E não só. Num determinado momento da história, José já não estava mais entre nós, eis que se tratava de um viúvo que desposara Maria e tinha pelo menos 35 anos mais que ela, uma jovem ainda, saindo da adolescência. E nesse momento, a família de Jesus era Maria e seus irmãos. Quatro dos seus irmãos são citados no Evangelho. Maria era o centro desse grupo.

Madalena também se destaca depois da metade da vida pública do Messias, quando passa a acompanhá-lo em sua peregrinação, acompanha o ato de sua condenação e morte e está com ele novamente na ressurreição.

A revista IstoÉ (1) divulgou em 2010 uma interessante matéria sobre “As mulheres da vida de Jesus”, demonstrando que elas não foram simples coadjuvantes das passagens que marcaram o cristianismo. Os evangelistas são explícitos quanto à numerosa presença feminina na paixão e ao pé da cruz. Foram elas as testemunhas de momentos-chave dos tempos apostólicos. Apesar da cultura machista judaica, nem por isso, com Cristo, as mulheres foram afastadas de sua missão.

Herança judaica

Historicamente, o patriarcado ancestral tem dominado a trajetória do cristianismo, mesmo como uma herança judaica. A exemplo de Deus, o “Pai” e não Mãe, Criador e não Criadora, passando pelos 12 apóstolos e não apóstolas, e culminando com Jesus, Filho e não filha. Curiosamente, contudo, são as mulheres que não só participaram, como protagonizaram boa parte dos momentos cruciais da vida de Cristo.

Foi no encontro com Maria que Isabel confirmou o projeto divino à prima, ao anunciá-la como bendita entre as mulheres, além de bendizer o fruto de seu ventre. “Isabel, idosa e estéril, mas grávida de João Batista, representaria o passado que abre caminho e dá as boas-vindas ao novo, que é Maria, jovem e grávida de Jesus”.(2)

Maria de Magdala (Madalena), que foi libertada de sete algozes espirituais (desobsediada) por Jesus passou a segui-Lo e se tornou importante no ministério cristão. A mais poderosa das demonstrações de confiança do Mestre Jesus em Madalena, e, por extensão, nas mulheres, foi o fato de tê-la escolhido para ser a primeira testemunha de seu ressurgimento após a crucificação. A história de outras duas mulheres próximas de Jesus no Evangelho é exemplo disso. Marta e Maria, irmãs de Lázaro, têm dois episódios marcantes junto ao Messias.

A importância das mulheres, aliada ao fato de que muitas não foram identificadas, alimentou um verdadeiro aluvião de lendas sobre o papel que elas tiveram nos momentos apoteóticos do Evangelho. O certo é que o legado feminino deixado pelas mulheres contemporâneas de Jesus tem valor inestimável. Os relatos de Mateus, Marcos, Lucas e João, compilados entre os anos 30 d.C. e 80 d.C., dão enorme importância à presença feminina na Boa Nova.

Paulo de Tarso fora de contexto

É fato! O Cristianismo primitivo foi o primeiro movimento histórico que tentou dar à mulher uma condição de "status" social igual à do homem. Mas com o passar dos anos, o movimento cristão fragmentou-se, e a única vertente que sobreviveu e cresceu sobre a função social da mulher foi a interpretação de Paulo de Tarso, o “Convertido de Damasco”.

O “Apóstolo dos Gentios” era formado no rígido patriarcalismo da lei judaica, mesmo tendo realizado profundas transformações morais com relação aos costumes e tradições legados de sua estirpe racial. Ainda assim, após sua conversão, não superou alguns de seus costumes cristalizados, sobretudo em referência às mulheres.

Comprovam sua rigidez em relação a elas as suas missivas a Timóteo: "Não permito à mulher que ensine, nem se arrogue autoridade sobre o homem, mas permaneça em silêncio, com espírito de submissão."(3) Ou ainda aos cristãos de Corinto, quando prescreve "Se desejam instruir-se sobre algum ponto, perguntem aos maridos em casa; não é conveniente que a mulher fale nas assembleias."(4) E aos Colossenses, admoesta: "mulheres, sejam submissas a seus maridos, pois assim convém a mulheres cristãs."(5)

Percebe-se, sem muito esforço de interpretação, que o apóstolo Paulo de Tarso não assimilou, na prática, que a liberdade de consciência que ele apregoava envolvia também os anseios femininos – distorção que o Espiritismo corrigiu, desautorizando qualquer ideia de rebaixamento da mulher em relação ao homem e vice-versa.

Em verdade, a mulher é exponencial referência do equilíbrio definitivo do Planeta. Cabe a ela influir decisivamente sobre os seres que reencarnam, transmitindo-lhes a primeira noção da vida. Sabemos que "homem e mulher são iguais perante Deus e têm os mesmos direitos porque a ambos foi outorgada a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir."(6) Não existem sexos opostos, mas complementares.

“Em pleno século XXI, temos um cristianismo que, no que diz respeito às mulheres, ainda está na Idade Média”.(7)

Como seria o mundo sem as mulheres

Portanto, nada mais justo que a luta pela causa de maior liberdade e direito para a mulher. Afinal, na Ordem Divina não há distinção entre os dois seres. Mas, obviamente, urge muita cautela. Os movimentos feministas, não obstante tenham seu valor, costumam cair no radicalismo, querendo fazer da participação natural uma imposição. Muitas vezes, em seus intuitos, ao lado de compreensíveis pleitos, enunciam propósitos que fariam da mulher não mais mulher, mas imitação ridícula e imperfeita do homem.

Toda doutrina que não considerar a mulher como uma das metades da vida e certamente uma metade muito importante, o autor desta doutrina estará devendo à vida uma explicação muito bem dada.

Jamais podemos deixar de lembrar das irmãs Fox, Florence Cook, e das jovens senhoritas que colaboraram intensamente com Kardec na qualidade de médiuns. Segundo informações históricas, as corajosas vanguardeiras da mediunidade chamavam-se Julie Baudin, Caroline Baudin, Ruth Japhet e Aline Carlotti. As duas primeiras psicografaram a quase totalidade das questões de O Livro dos Espíritos nas reuniões familiares dirigidas por seus pais e assistidas pelo Codificador.(8)  Ruth foi a medianeira responsável pela revisão completa do texto, incluindo adições.(9) Aline fez parte do grupo de médiuns através do qual Kardec referendou as questões mais espinhosas do livro, fazendo uso da concordância dos ensinos (CUEE – Controle Universal dos Ensinamentos dos Espíritos).(10)

Atualmente, embora as mulheres ainda não usufruam do prestígio e reconhecimento que tinham nos tempos de Cristo, a força das histórias daquelas que viveram a fé de forma plena, por meio de atos e palavras, deixou sua marca e continua estimulando mudanças estruturais. No século XIX, se o Consolador Prometido não contasse com a mão-de-obra, com a grandeza, com a persistência e com a moralidade feminina, certamente a Doutrina Espírita inexistiria.

Fonte:
http://jorgehessen.net

Referências bibliográficas:
(1)    Revista IstoÉ, edição nº 2146   de 22.dez.2010
(2)    idem
(3)    I Tim. 2, 9-13.
(4)    Coríntios 14, 34-35
(5)    Colossenses 3: 18
(6)    Kardec, Allan. Livro dos Espíritos, RJ: Ed FEB, 2001 pergs. 817 a 822
(7)    Revista IstoÉ, edição nº 2146   de 22.dez.2010
(8)    Revista Espírita, 1858, jan. p.35, Edicel
(9)    idem
(10)    Kardec cita essa última checagem em Obras Póstumas, p.270 (26ªedição da FEB). Aline era filha de sr. Carlotti, um dos iniciadores de Rivail nas coisas do invisível. Em Obras Póstumas, há uma mensagem do Espírito de Verdade, recebida pela srta.Carlotti (pag.281, da edição citada). Mais detalhes sobre o princípio da verificação universal podem ser encontrados na introdução (II) do Evangelho Segundo o Espiritismo.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário