sábado, 2 de janeiro de 2016

1831-Desvendando a Era de Aquário


Temos um Décimo Planeta em nosso Sistema Solar

Introdução

Maioridade Espiritual é um blog com objetivo claro: batalhar pela nossa maioridade naquilo que de mais eterno possa existir em nós: nosso futuro espiritual.

Então chega de mentiras, seja da história – que sempre foi escrita pelos vencedores e esses disseram o que quiseram -; seja pelos mitos e lendas, que foram contados ao povo com objetivo de dominação; seja pelas chamadas escrituras sagradas, nem tão sagradas assim, pois foram escritas por homens segundo a sua conveniência, também muito próximo de mitos e lendas; seja pela NASA que, entre outras coisas, ocultou o quanto pôde a verdadeira trajetória de NIBIRU/Planeta X/Hercólubus, esse astro que agora acaba de ser confirmado como a décima potência celeste de nosso Sistema Solar; seja pela mídia que oculta, escancara, dá versões aleatórias sobre qualquer assunto que mexa com poder e dinheiro; seja, enfim, de parte dos livros escolares, que chegam para os professores eivados de pegadinhas, mentiras deslavadas sobre a vida, que nossas crianças hoje são obrigadas a engolir como verdades, es que nós, também, fomos vítimas da mesma armação; seja lá o que for que venha desviar-nos do caminho da verdade.

Graças a Deus, os cientistas estão vindo a público com frequência para pedir desculpas por axiomas anteriormente dados como definitivos e que hoje são revistos, refeitos.

Nesta Era de Aquário muita coisa virá a limpo além do Mensalão, das Operações Lava a Jato, Zelotes, Moeda Verde, das negociatas na FIFA, dos escândalos em prefeituras e, quiçá, leitor, até aí no seu condomínio.

Enfim, o blog tenta fazer sua parte. Não sabe tudo. Sabe bem pouco. Mas o pouco que sabe tenta passar adiante.

É o caso do tema de hoje. Um planeta, um astro, uma estrela anã nos visita a cada 3.600 anos e sempre que passa pelas imediações de nossos vizinhos planetários cria perturbações como as que passamos a ter desde 2009, o tsunami da Ásia, os vários terremotos, o El Niño, La Niña, as chuvaradas, as estiagens em vários pontos do planeta, a mudança de polaridade dos polos da Terra, as tempestades solares, etc, etc. A ciência sabia de muita coisa e ficou na sua. Quando não deu mais para esconder, veio a público dizer que não havia confirmação, queria evitar comoção popular.

Nibiru, Marduk, Planeta X, Hercólobus

(Contribuiu para este tema Ton Müller além de outros)
 
Isso mesmo que você lê. O visitante (com todos esses diversos nomes) que demora 3.600 anos para retornar, tem vários nomes e assim será enquanto a sociedade planetária oficial não o batizar definitivamente como fez com a Terra, a Lua, Marte, etc.
Os governos fizeram de tudo para que isso caísse em descrédito e assim fosse frustrado qualquer tipo de expectativa sobre NIBIRU (assim o chamarei porque assim ele foi chamado pelos sumérios, um dos povos mais antigos do planeta). Motivo da omissão dos governos: ganhar tempo e controle. Sabe, as bolsas de valores despencam sempre que algo ameaçador recair sobre a humanidade e aqueles que ganham lucros com a especulação financeira têm muito poder.
E não podemos esquecer os crentes nos textos bíblicos:
“Haverá então grande aflição como nunca houve desde o início do mundo até agora e nunca mais haverá. Se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém escaparia. Mas, por causa dos eleitos, eles serão abreviados”. (Mt 24,21-22). “Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão”. (Isaías 65:17). “Depois da aflição daqueles dias, o Sol ficará escuro, a Lua perderá sua claridade, as estrelas cairão do céu e as potencias celestes serão abaladas. Aparecerá, então, no céu o sinal do Filho do Homem” (Mt 24, 29-30). “Ele enviará seus anjos com uma grande trombeta; ao seu toque, reunir-se-ão os eleitos dos quatro cantos da Terra, de uma extremidade a outra dos céus” (Mt 24, 31).
Gente, textos assim na boca de pastores e diáconos semeiam pavor e terror a milhões de crentes pouco esclarecidos. Este astro visitante vinha sendo dado como destruidor da Terra, prometido para deixar aqui apenas 144 mil pessoas escolhidas, os chamados eleitos. Pois bem, o astro já cruzou de ida e voltará em 2019 de retorno. Depois disso ficará distante de nós por uns 3 mil e quase seiscentos anos, conforme a fonte.
Nibiru é real e é considerado segredo de estado em muitos países
Os que acompanham a passagem de Nibiru através do sistema solar parecem concordar a respeito das fortes perturbações observadas até agora no movimento dos grandes planetas externos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) em suas órbitas, ainda que breves. Uma espécie de “chega pra lá” em consequência dos efeitos magnético e gravitacional de Nibiru sobre eles. Nibiru tem quatro vezes o tamanho de Júpiter, o maior planeta do sistema solar, e dentro em breve poderá ser visto a olho nu em sua viagem de retorno ao redor do Sol. Sua distância mais próxima da Terra (no periélio de ida) se deu exatamente no dia 21/12/2012, data do Solstício de Inverno no Hemisfério Norte, dado aqui como início da Era de Aquário e vendido entre nós como o Fim do Mundo, segundo o Calendário Maia.
De uma coisa nós temos de nos capacitar e de imediato: quantas vezes esse Nibiru já nos visitou nesses 3,5 bilhões de anos que parece ser a idade da vida em nosso planeta? Perto de 1.000 vezes, não é mesmo? Teria sido ele o autor do fim dos dinossauros? Do início da Era Glacial? Do Dilúvio? De que mais?
Eis a questão: não temos informações. Mas, temos lendas, mitos...
Uma espécie de Gênese suméria, de escrita cuneiforme (em forma de cunha), acaba de ser desvendada e lá consta que há 3,9 bilhões de anos Tiamat era um planeta estéril e foi atingido por uma colisão com Marduk, ocasião em perdeu parte de seu corpo, deu origem à Lua que o circunda, mas ganhou as sementes da vida. Ganhou o nome de Terra e eis que Niburu/Marduk foi uma espécie de office boy fazendo-nos a entrega de DNA do espaço para que a vida começasse aqui. Tem mais coisas ali na lenda suméria, mas não é para o tema de hoje.
A brevidade da passagem de Nibiru e seu alto poder de alteração do status quo, confirmam algumas profecias já mencionadas. Mas, o ser humano tem de convencer-se que nossa Terra é uma nave espacial andando pelo cosmos a uma velocidade de 1675 km/h, girando sem parar a uma velocidade de 1666 km/h para dar, sobre si mesma, um giro completo a cada 24 horas. Não há um piloto sentado na cabine manejando botões e alavancas. Logo...
Logo, há um cosmos a caminho da perfeição, como também há seres humanos a caminho da perfeição (esta é a proposta). A cada novo caos segue-se um período de harmonia destinado a melhorar o que passou. Já publiquei aqui e faço questão de relembrar que são as tragédias e tropeços que nos impulsam para a frente. Crescer dói.
A propósito, Nibiru não se trata de um planeta, mas de uma estrela anã-vermelha, uma estrela relativamente pequena (comparada com outras) e fria que não chegou a se inflamar. E lembremos: são elas as anãs vermelhas as doadoras da vida em todo os cosmos. Os 92 elementos químicos que conhecemos, dentre os quais estão o oxigênio e o hidrogênio, vitais à vida, têm origem nas anãs-vermelhas.
Nibiru é uma “brasa” cósmica! Nibiru tem uma longa órbita de +- 3.600 anos em torno do Sol, inclinada em 35° em relação à eclíptica dos planetas. Sua última passagem antes da atual pelo sistema solar provocou a mega-erupção vulcânica na ilha de Thera, atual Santorini, que explodiu literalmente, provocando um tsunami que varreu o Mediterrâneo no século XVI a.C. As cinzas da erupção cobriram o Hemisfério Norte, provocando vários dias de escuridão e devastando pastagens e plantações.
Consequentemente foi um período de grandes migrações no planeta. Por exemplo: as tribos arianas nômades da Ásia Central invadiram o território indiano, assentando-se ao longo do rio Ganges e expulsando os drávidas de pele escura para o Sul da Índia; a divisão racial está visível até os dias de hoje ali; os povos semitas, que haviam imigrado para o fértil vale do Rio Nilo, no Egito, voltaram para a terra de seus ancestrais, naquilo que conhecemos como êxodo bíblico. Entre esses últimos, estavam-se os hebreus. “As dez pragas no Egito” das narrativas do Livro do Êxodo inspiraram-se provavelmente nesses acontecimentos históricos que atingiram o vale do Nilo. A cada passagem, Nibiru encontra a Terra numa determinada posição orbital. O pessoal da observação astronômica não tem certeza, mas desta feita, tudo indica ele terá uma proximidade nunca antes vista em relação à Terra. Seriam as profecias para 2019? Quem as leu, de autoria de Emmanuel, através de Chico Xavier?
Uma das mudanças esperadas com a proximidade de Nibiru será na órbita da Lua em volta da Terra. De circular que é normalmente, ficará elíptica, o que causará a intensificação de marés altas e baixas que, por sua vez, provocará inundação e refluxo nas áreas costeiras em todo o mundo (Deve ter começado, pois Veneza já sofreu inundação). Não se trata de tsunamis localizados, mas de algo muito mais devastador para todos os litorais do planeta. “Donde a recomendação para fugir para as montanhas em Mateus 24,16” faz todo sentido.
Um Pouco de História
O primeiro registro do misterioso objeto no espaço apareceu em 1983. O recém-lançado satélite IRAS [Infrared Astronomical Satellite ou Satélite Astronômico Infravermelho] foi o pioneiro na descoberta. A notícia foi dada pelo jornal Washington Post, assim: “Foi encontrado, por um telescópio em órbita da Terra, um corpo celeste tão grande quanto Júpiter, que faz parte do nosso Sistema Solar. Ele estaria na direção da Constelação de Órion”.
Em 1992 veio a confirmação da descoberta pelo cientista Robert Harrington, então diretor do Observatório Naval dos Estados Unidos. Ele diz textualmente: “A massa deste corpo celeste é quatro vezes maior do que a da Terra (agora já se sabe que é 6,5 mil vezes maior) e trata-se, provavelmente, de uma estrela anã marrom, cuja órbita é extremamente elíptica”. Isto é o que se sabia na época.
Ainda em 1992 os sinais ficaram mais precisos. Um informe da NASA dava conta de que “desvios inexplicáveis nas órbitas de Urano e Netuno apontavam para um grande corpo fora do Sistema Solar, cuja massa era quatro a oito vezes a da Terra, numa órbita extremamente elíptica e a mais de 11 bilhões de quilômetros do Sol”. Estava confirmado que este bólido celeste era real, mas seria este corpo, o mesmo apelidado de Planeta X, Hercólobus, o mesmo Nibiru, previsto pelos sumérios na antiguidade? Parece que sim.
Sim, é o mesmo objeto que foi revelado pelo estudioso de civilizações antigas Zecharia Sitchin em suas obras. Da mesma forma, a Bíblia Kolbrin, escrita pelos egípcios após o Êxodo e pelos celtas após a morte de Jesus, oferece extensos informes históricos sobre as andanças deste planeta. Os egípcios o chamavam de O Destruidor… confirmando os Evangelhos.
Hoje, há dados concretos da existência de Nibiru. Astronomicamente denomina-se “perturbação” a alteração da órbita de um planeta pela interação gravitacional de um ou mais corpos celestes. Os astrônomos descobriram perturbações na órbita de Saturno, e isso levou à descoberta de Urano, em 1781. Em seguida, perturbações da órbita de Urano levaram à descoberta de Netuno, em 1846, apenas por cálculos matemáticos. E, então, apareceram perturbações da órbita de Netuno, o que foi possível prever que deveria existir outro planeta além de Netuno. No início do século XX, Percival Lowell, fundador do Observatório Lowell, em Flagstaff, Arizona, começou a procurar o corpo que perturbava a órbita de Netuno. Catorze anos após sua morte, em 1916, seu assistente Clyde Tornbaugh descobriu Plutão. Por um curto período, o novo corpo foi classificado como planeta, embora sua Lua seja uma vez e meia maior do que ele. Foi rebaixado e agora volta a ser considerado planeta.
Há mais de seis mil anos atrás, os Sumérios, que se miscigenaram com o povo Acádio, conheceram um planeta que denominaram Nibiru: (termo em acadiano que significa “Cruzador” ou “O que cruza”). A órbita excêntrica e muito extensa de Nibiru faz com que o planeta ígneo (estrela anã) passe milênios totalmente invisível à observação. Um ano de Nibiru corresponde a 3 mil e 600 anos terrenos, isto é, para voltar ao mesmo ponto ele demora esse tempo todo.
Entre 1983 e 1984, o IRAS – “Infrared Astronomical Satellite” ou Satélite Astronômico Infravermelho, produziu observações relacionadas a um décimo planeta do nosso Sistema Solar. Em 1992 novas descobertas foram publicadas sobre um planeta a mais no nosso sistema, denominado “Intruder – Planeta Intruso”. Os cientistas começaram, então, a confrontar os dados da astronomia com as traduções de Zecharia Sitchin, em especial, a tradução do documento “Enuma Elish” (espécie de bíblia suméria), que contém a história da formação deste nosso sistema solar. São anais muito antigos que falam de um planeta do tamanho de Urano chamado Marduk, que veio perturbar Tiamat, cuja órbita se situava entre Marte e Júpiter (nossos vizinhos externos, isto é, mais distantes do Sol).
Cinturão de Asteroides
O grande planeta-estrela Nibiru foi capturado pela força gravitacional do sistema solar e sua entrada no conjunto causou anomalias nas luas dos outros planetas. Segundo lendas históricas atribuídas aos Sumérios (como vimos), Nibiru colidiu com Tiamat e enormes fragmentos entraram na órbita da Terra. O resto destes fragmentos formou o conhecido “Cinturão de Asteroides” situado numa grande faixa do espaço entre Marte e Júpiter.
O interesse de antigos e contemporâneos pesquisadores por Nibiru decorre de uma questão muito prática. Os relatos arqueológicos são claros:
A passagem deste planeta a cada 3 mil e 600 anos através do Sistema Solar produz efeitos sensíveis aqui na Terra, na realidade, efeitos ambientais; catástrofes são desencadeadas. A passagem de Nibiru é, possivelmente, a causa da mudança nos polos da Terra, dos regimes das marés, dos padrões climáticos, dos desvios da órbita e choque com asteroides que são arrastados pelo “intruso”. Nibiru pode ter provocado, por exemplo, o dilúvio de Noé ou o fim da época dos dinossauros…
Foi por volta de 2002, relatos não precisos, (isto porque esta informação é segredo de estado dos governos) que Nibiru entrou no âmbito do Sistema Solar, ou seja, quando ele tinha uma distância equivalente à de Plutão ao Sol (relativamente à influência do seu campo magnético). À medida que se aproximava mais, sua influência foi intensificada sobre os planetas externos do nosso sistema…(gigantes gasosos). Órbitas e eixos magnéticos assim como as das suas luas… Nibiru mexeu com todos eles. Hoje se tem os seguintes dados:
01. O Campo Magnético de Nibiru penetrou no âmbito do Sistema Solar por volta de 2002. (Somente o Campo)!
02. À medida que se aproximou do Sol, aumentou a sua velocidade.
03. A inclinação orbital de Nibiru é cerca de 35º graus em relação à eclíptica solar, ou seja, 35º relativamente ao eixo do sol. Quando Nibiru atravessa nosso sistema solar em movimento retrógrado (sentido oposto em relação aos demais planetas) gera gigantescas e generalizadas perturbações eletromagnéticas que afeta os corpos celestes próximos.
04. Nibiru é 5 vezes o que é Júpiter. É cerca de 6.500 vezes maior que a Terra.
05. É altamente massivo.
06. À medida que Nibiru aproximou-se do nosso Sistema Solar interior, ele acelerou devido à gravidade solar passando por debaixo da eclíptica solar, (polo sul do Sol), e durante o seu contorno que ele passará por cima da eclíptica num ângulo de 30 graus ascendente sobre o polo norte do sol. Logo ele veio por baixo, por isso podia-se fotografá-lo a partir do Polo Sul.
07. Sabendo disso há muitos anos, os americanos construíram um Observatório Astronômico gigantesco no Polo Sul somente para acompanhar a chegada de Nibiru! Isto era segredo até bem pouco tempo – o BICEP.
08. O campo magnético de Nibiru representa 8 u.a. (obs.: uma unidade astronômica equivale à distância média da terra ao sol, ou seja, 150 milhões de quilômetros. Portanto, 8 u.a. é igual a 1.200.000.000 km ou um bilhão e duzentos milhões de quilômetros. Representa um pouco menos da distância entre o Sol e Saturno. Saturno está distante do Sol cerca de 1.429.400.000 km ou (9,54 u.a.)
09. É importante ter estes dados em mente para se ter ideia da capacidade deste objeto de influenciar vários planetas ao mesmo tempo, ainda que se encontre tão distante deles.
10. O campo magnético de Nibiru é 41,3 vezes mais potente do que o de Júpiter!
11. Nibiru não é um planeta. Antes de tudo, é um sol de pequenas proporções, uma estrela “anã marrom ou vermelha” e que forma um sistema planetário. Nibiru possui 7 planetas ou luas que giram em torno de si.
12. Sua influência sobre a terra foi de forma suave até então…
Por que o segredo sobre Nibiru?
A resposta é óbvia: Nenhum governo responsável no mundo irá dar informações a respeito. Os governos precisam esconder o máximo possível estas informações porque os povos entrariam em pânico total e incontrolável. Os países se tornariam ingovernáveis. Haveria todo tipo de convulsão e histeria coletiva propagando “à velocidade da luz”, para todos os cantos do planeta. Seria o caos total! As populações teriam que ser abatidas pelos exércitos para haver ordem. Haveria lei marcial com toque de recolher das populações. Ainda assim, haveria saques, assassinatos, estupros, seria impensável. Os hospitais ficariam lotados e muitos morreriam de infartos, AVCs, e assassinados por causa do terror e do pânico, e dos terroristas de momento!…
Os governos se preparam para o que de mais terrível possa acontecer, mas eles não têm a dimensão do que pode ser. Pode ser nada, mas pode ser muito. Os governos trabalham com fatos reais, com dados fornecidos pelos cientistas especializados e pelas agências de informação. Eles não podem contar com “profecias”, por mais críveis que elas sejam. A realidade dos fatos vem, sobretudo, dos observatórios astronômicos e mais ainda da NASA, que agrega grande quantidade de informação a respeito disso e de outras coisas. Entretanto, a própria NASA não tem capacidade de prever os acontecimentos futuros em função da influência dessa estrela que ora (2016) orbita o nosso Sol. Entretanto ela deu um alerta em seu site convocando a população de seu país e, por conseguinte de todo mundo, a se preparar para “algo”…
Não espere que te informem alguma coisa como estamos colocando aqui. Muitas cadeias de TV no mundo todo e em diversas ocasiões informaram sobre esta estrela como a CNN internacional, a BBC de Londres, a Globo, que publicou uma nota de 14 segundos no dia 18/01/2016, entre outras pequenas notas que saíram na imprensa.
O que você deve fazer
Os espíritas bem informados não sabem apenas que a vida eterna está no plano do alto e que que a vida biológica é feita entre nascer e morrer. Sabem, também, que as Inteligências do Alto preparavam uma acelerada retirada de espíritos perturbados daqui da Terra. A Terra está por ganhar uma promoção e os bandidos precisam ser levados daqui para o plano compatível com eles.
Se este momento chegou pelas mãos de Deus como tantas vezes tem chegado pelas mãos dos homens, o que fazer? Oferecer-nos-emos para a Vontade de Deus e esperemos ser mandados para a dimensão compatível com a que merecemos. Não adianta subir montanhas, preparar quite de sobrevivência, nada disso vai mudar o que tiver de ser.
No momento está difícil conseguir os dados que antes eram obtidos com facilidade na internet. O Governo americano está censurando a Internet no que se refere a Nibiru.
A Terra até agora foi pouco atingida devido à sorte (???) de estarmos atrás do Sol quando da aproximação do bólido. Ainda assim o poderoso campo magnético e gravitacional de Nibiru “tangenciou” o campo magnético do nosso planeta. Foi o suficiente, por exemplo, aumentar significativamente o número de terremotos, atividade vulcânica, e tsunamis.
O terremoto de Sumatra em 26 de dezembro de 2004 e consequente tsunami avassalador, assim como o terremoto do Haiti em 12 de janeiro de 2010, o terremoto do Chile em 27 de fevereiro de 2010 com enorme tsunami estão na sua conta.
O gigantesco terremoto no Japão em 11 de março de 2011, chuvas torrenciais em todo o planeta, vulcões ativados em todo o mundo entre outros desastres “ditos naturais”, além de explosões solares fora de época com fortes ejeções de “massa coronal”, tudo isso, foi obra do Nibiru, que nos “roçou”, passou de raspão e ainda influenciou o núcleo do Sol…
Todos somos testemunhas destes acontecimentos dramáticos. Milhares de pessoas perderam suas vidas em função de Nibiru. No final do ano passado, Nibiru por trás do Sol, começou a realizar sua curva de retorno. O Sol dessa forma eclipsou a influência dessa estrela sobre a Terra.
ATUALMENTE, Nibiru está indo realizar o “periélio”, (órbita mais próxima do Sol), ou seja, está se preparando para realizar a sua “curva de fuga”, de volta) ou seu contorno de saída em direção ao espaço exterior. Sua saída definitiva de dentro do Sistema Solar se dará somente em 2019.
Profecias e escrituras à parte
Apesar do segredo de estado, da pouca divulgação a respeito, deixemos de lado as crendices, previsões, profecias, escrituras sagradas, sem desqualificá-las, mas para evitar discussões inoportunas. O assunto é grave. Dois sérios pesquisadores americanos vem falando bastante a respeito.
Zecharias Sitchin, filósofo, escritor, já falecido recentemente, dedicou seus estudos e livros à questão suméria, cuja escrita coneiforme já pode ser decifrada.
Ele atribui a criação da antiga cultura suméria aos “anunnaki” (ou “nefilim”), uma raça extraterrestre nativa do planeta chamado Nibiru, que se encontraria nos confins do Sistema Solar. Ele afirma que a mitologia suméria é a evidência disto, embora suas especulações sejam descartadas pela maioria dos cientistas, historiadores e arqueólogos convencionais, que discordam de sua tradução dos textos antigos e de sua interpretação da física.
Suas teorias desencadearam em todo mundo intensos debates sobre Nibiru, com defesas ardentes ou negativas da inexistência do mesmo no meio científico. Na verdade, ele abriu a “Caixinha de Pandora” sobre essa questão, a qual de uma forma ou de outra dá entendimento aos defensores da possibilidade de desastres apocalípticos no planeta Terra, além de explicar a origem do ser humano.
Bob Dean – Projeto Camelot - é um dos grandes nomes da ufologia mundial.
Ele era membro da inteligência da OTAN, militar de alta patente, que esteve envolvido em pesquisas ufológicas. Após sua aposentadoria, resolveu falar sobre as coisas que sabe. Numa entrevista mais antiga, ele revela que resolveu falar em público, porque as conclusões a que todos os militares chegaram é a de que os extraterrestres estão presentes e que irão fazer contato em breve. As pessoas precisam estar preparadas para isso.
Numa entrevista (ainda em 2008), ele fala sobre a chegada de Nibiru. Expõe todo seu conhecimento sobre o assunto, inclusive proveniente de contato com alguns seres extraterrestres com quem ele esteve pessoalmente.
Ele confirma toda a informação levantada por Sitchin e ratificada por outros dados e pesquisas. Informa que os governos sabem da chegada de Nibiru há muitos anos, porém, não há o que ser dito à população. Como ele mesmo diz: “O que eles poderiam te dizer? – sim, Nibiru está chegando, é uma situação caótica, inevitável e não temos a menor ideia do que fazer”.
Ele afirma que estão muito preocupados com essa situação.
Ele fala que os astrônomos estão fazendo os cálculos para apurar a aproximação exata de Nibiru, é quando ele fala que o mesmo já estaria visível por volta do ano 2012 e seu contorno no Sol no retorno, cruzará a órbita da Terra! Especula que poderia ser 2015 ou 2017 ou 2019, segundo alguns dados que ele tem.
Explica que o pessoal está muito preocupado com o assunto, os governos e os militares. Ele fala que o pessoal já está sabendo desse assunto há muitos anos, por volta de 1983 já havia astrônomos confirmando sua chegada. Estavam estudando sua órbita. A questão mais problemática é se ele se aproximar da Terra quando ambos estiverem do mesmo lado do Sol. Concluíram mais recentemente que é exatamente nesta posição que sua aproximação se dará.
E é exatamente por isso que o planeta já está sentindo seus efeitos.
Ele alerta que devemos estar preparados para tudo isso. E como todos, em todas as linhas, andam afirmando: Que depois dessa fase turbulenta de aproximação dele, causando extraordinários eventos climáticos, haverá a instalação de um governo mundial. Toda essa transformação será positiva e será muito melhor para os seres humanos. Mas até chegarmos lá, vamos passar por situações complicadas. Como ele diz, vai ser o inferno, mas já passamos por esse inferno várias vezes antes na história da humanidade, sabemos lidar com isso e vamos saber passar por esse inferno novamente.
Colocamos aqui um pouco da história desse militar americano, porque tanto ele quanto Zacharias Sitchin, fizeram repercutir em todo o mundo a nova realidade dos chamados fins dos tempos: Ufos e Nibiru. Devido à credibilidade dos dois, milhares de pessoas estudiosas e mais esclarecidas passaram a olhar com “outros olhos” essa questão.
Observatórios
Os americanos estão sabendo que estão diante de uma situação final, “derradeira”, do tipo “Evento de Extinção em Massa”!… Não deixaram por menos. Sem constrangimentos ou arrependimentos, trataram de gastar dinheiro; (parte dos 11 trilhões que sumiram ao final do governo Bush). Foram muitos bilhões de dólares para lançamento dos mais diversos tipos de satélites observatórios. Uns para acompanhar a trajetória de Nibiru; outros, exclusivamente para observar o Sol e outros ainda para observar cuidadosamente os asteroides deslocados por Nibiru quando da passagem pelo cinturão de asteroides. Muitos acompanham online, ao vivo 8 satélites de monitoramento solar, a saber:
1) Soho
2) SDO
3) Stereo A e Stereo B
4) Proba
5) Yohkoh
6) Iris
7) ACE
8) GOES-14
Seis deles, ao vivo (qualquer pessoa tem acesso!)
Satélites e Observatórios para Observação de Nibiru e outras ocorrências.
1) Spitzer – Infravermelho
2) Galex – Ultravioleta
3) Xandra e Galex – Raio X

4) Wmap – Microondas
5) Iras – Infravermelho

6) Em Terra – no Pólo Sul: Telescópio BICEP1 e BICEP2 e mais tarde, BICEP3.
Satélites para Observação de Meteoros, Cometas e Asteroides Há vários telescópios em terra e no espaço, programados para detectar Meteoros, Asteroides e cometas, incluindo radiotelescópios. Nunca se monitorou tanto os céus. Os rumores de meteoros que poderão cair na terra são muitos. As ameaças são hoje constantes. Antes eram raras. Esses monitoramentos, a NASA os faz desde 1980 através do Astrônomo Brian Maroden Geoffrey – Centro de Pequenos Planetas, morto em 2010.

Sinais da aproximação de Nibiru

Terremotos diários;
Ativação de vulcões em todo o mundo;
Secas prolongadas onde sempre choveu;
Furacões, tornados e tufões até no Brasil;
Chuvas torrenciais (verdadeiros dilúvios);
Calores extremos em lugares onde antes tinham climas temperados;
Sumidouros (buracos profundos) surgindo de surpresa nas cidades do mundo todo, sugam, engolem tudo. O que impressiona é que a grande maioria deles são círculos perfeitos;
Frios extremos com nevascas e granizo com enormes formações de gelo
Cometas, meteoros com muito mais frequência;
Estranhos objetos são fotografados diariamente em todo o mundo;
Estranhas formações de nuvens, incluindo nuvens negras e ameaçadoras;
Tempestades solares extremas (Maximum Solaris) que começou e não tem data para parar;
A lua com colorações avermelhadas, amplamente divulgado pelas TVs;
Comportamento estranho dos outros planetas do sistema solar.


Até semana que vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário